segunda-feira, 27 de dezembro de 2010


A PRIMEIRA MULHER PRESIDENTE NO BRASIL!



Coluna de sábado (25), de Cesar Maia, na Folha de SP.

1. Em 2010, cumpriram-se os 250 anos do nascimento da primeira mulher presidente no Brasil, Bárbara de Alencar. Ela nasceu em Exu (PE), em 1760. Mudou-se para o Crato (CE) depois do casamento, em 1782, com José Gonçalves dos Santos, comerciante de tecidos naquela vila, com quem teve quatro filhos. Foi a primeira mulher a se envolver, para valer, em política no Brasil -durante a revolução pernambucana de 1817, com vistas à independência e à República. O Ceará e outras províncias limítrofes aderiram -no Ceará, especialmente na região do Cariri.

2. Bárbara de Alencar liderou esse movimento no Crato, ampliando a revolução em Pernambuco. Ela declara a independência e proclama a República do Crato, assumindo a presidência. Com a derrota em Pernambuco, a rebeldia nas demais províncias foi sendo desmontada pelas forças do Conde dos Arcos, governador da Bahia, a mando de dom João 6º. Bárbara foi presa em Fortaleza. Por quatro anos, foi mantida presa em Fortaleza, Recife e Salvador. Ganha a liberdade no ato de anistia geral de novembro de 1821. Teve quatro filhos, três homens.

3. Em 1824, outra revolução em Pernambuco: a Confederação do Equador, liderada por Frei Caneca. No âmbito desse movimento, no Ceará, Crato, Icó e Quixeramobim aderiram. Seus três filhos homens se envolveram. Em 26 de agosto de 1824, foi declarada a República do Ceará e designado presidente Tristão de Alencar, um dos filhos de Bárbara. A repressão das forças imperiais culminou com a morte de dois de seus filhos: Tristão e Carlos. José Martiniano de Alencar sobreviveu e, mais tarde, terminou se credenciando como deputado às cortes constitucionais de Lisboa.

4. Foi governador do Ceará e senador. Seu filho José de Alencar foi escritor, poeta e fundador do indianismo com seu "O Guarani". A força da memória de Bárbara de Alencar ressurgiu em 1869, na escolha de senador em uma lista tríplice. Os conselheiros de dom Pedro 2º sugeriram o veto a José de Alencar, apesar de ele ter sido ministro da Justiça pouco tempo antes. O temor era que as ideias republicanas que começavam a ser reativadas pudessem coincidir com o DNA de José de Alencar.

5. Neste ano de 2010, em que o Brasil registra e comemora a assunção de uma mulher ao cargo de presidente da República, faltaram as comemorações em memória de Bárbara de Alencar, primeira mulher política brasileira, primeira presidente de República, do Crato, e mãe de outro presidente de República, do Ceará. E, quem sabe, ancestral de outro cearense Alencar presidente: Humberto. A conferir.

* * *

A DESCENDÊNCIA DE BÁRBARA DE ALENCAR!

Nota encaminhada a este Ex-Blog por Virgilio Arraes.

Li há pouco seu interessante registro sobre a pouca conhecida no ‘Sul’ dona Bárbara – como é familiarmente chamada no Ceará – e, em decorrência do último parágrafo, tomo a liberdade de registrar que Castelo Branco descendia de uma irmã dela, Inácia. As duas, apesar de alguns anos de diferença de idade, eram muito próximas politicamente – sinceras republicanas, influenciadas tardiamente na família pelo espírito da França de 1789. Em 1824, a influência já seria dos Estados Unidos e, em menor escala, da então Grã-Colômbia (federalismo relativo e abolição gradativa da escravidão). De Inácia, descendem, entre outros, Miguel Arraes de Alencar, Marcelo Nunes de Alencar e provavelmente Otto de Alencar. No RJ, Chico de Alencar é possivelmente descendente dela também. Por curiosidade, Raquel (de Alencar) Queiroz, Heloneida Studart e Paulo Coelho têm Bárbara como ascendente.

E até no Paraná. Lá, mais dois se destacaram: (José) de Alencar Furtado, cearense de Araripe como Miguel Arraes, é descendente de Inácia, ao passo que Alencar Guimarães, senador por longo período, de Bárbara, através de uma filha do Senador Martiniano. Por coincidência, tanto ele como o avô paterno assumiram de modo interino o governo do Paraná.

Transcrito do Ex-Blog do César Maia de 27 de dezembro.


Um comentário:

Pamela disse...

Engraçado, como a estória que importa, simplesmente não é contada ou melhor lembrada no Brasil!