quinta-feira, 31 de dezembro de 2009


ÓDIO E VINDITA NÃO CONSTROEM UMA NAÇÃO.


Mais uma vez as Forças Armadas são alvo de uma calculada ação de Lula e seus sequazes no sentido de intimidá-las, execrá-las e desgastá-las.

Ora, todos sabem que os militares brasileiros há muitos anos voltaram aos quartéis, estão altamente profissionalizados, não se metem em política e agem em perfeita consonância com o que preconiza a Constituição.

Repito que a Lei da Anista ampla e irrestrita como se exigia à época dos debates que precederam esse dispositivo legal absolutamente correto e que abriu as portas ao retorno do país ao regime democrático, tem de ser mantida.

Qualquer manobra contrária a esta lei representa um retrocesso cujos desdobramentos são previsíveis, ou seja, forçar a Nação a dar mais um passo em direção a adoção de um regime do tipo venezuelano.

É lamentável o propósito dos ministros militares de abandonar seus cargos em protesto à investida do esquerdismo irresponsável, quando na verdade deveriam denunciar à Nação essa bolchevização botocuda do Brasil que vem sendo levada a efeito por Lula e seus sequazes.

Causa espécie, ainda, a manifestação da Ordem dos Advogados do Brasil que cerra fileiras em torno dessa tentativa que caracteriza todas as ditaduras, que é criar um inimigo fictício com a mudança da Lei da Anistia, cuja finalidade outra não é que execrar as Forças Armadas.

O resultado desse pensamento obtuso professado por Lula e seus sequazes durante esses quase oito anos de lulismo já pode ser sentido por toda a população: a desordem e o avanço da criminalidade botocuda que já transborda dos grandes centros e se espraia por todo o país.

Não há nenhuma Nação no mundo que alcançou o desenvolvimento execrando suas Forças Armadas e tolerando a desordem.

No Brasil, essa nefasta tentativa de desmoralização dos militares chega a ser surrealista quando se sabe que muitos deles tombaram em combate contra a horda de celerados comunistas que desejavam cubanizar o Brasil. Esta é que é a verdade que poucos, muito poucos, têm coragem de admitir.

Examinando-se os fatos friamente, se alguma mudança na Lei da Anistia tivesse de ser feita justo seria o sentido inverso, ou seja, rever a lei com vistas à punição e execração pública da bandalha comunista que, se vitoriosa, teria destruído as liberdades democráticas completamente.

Tivesse sucesso naquela época o terror esquerdista, hoje estaríamos mais atrasados ainda e sob o tacão de uma ditadura comunista de modelo chinês ou cubano e as liberdades civis seriam uma quimera.

Portanto, não há nenhuma justificativa para mexer numa vírgula sequer da Lei da Anistia.

Interessa aos cidadãos de bem a democracia, a supremacia da Lei e da Ordem, a alternância do poder que só o livre jogo democrático permite. Interessa, sobretudo aos cidadãos democratas, as Forças Armadas como referência de segurança e sujeitas aos ditames da Constituição.

Este é que tem de ser o projeto para o Brasil, tendo por fundamento os valores democráticos, dentro da concórdia, de um perene clima de paz e de civilizado respeito à lei.

Nenhuma Nação do mundo prosperou sob com base no ódio e na vindita.

Transcrito do Blog do Aluizio Amorim: http://aluizioamorim.blogspot.com/

Comento:
Mercê dos anos vividos, especialmente na cidade do Rio de Janeiro, um dos palcos dos acontecimentos, posso dar um testemunho pessoal, livre de manipulações midiáticas e políticas sobre os passos que culminaram com a lei de Anistia. A lei foi precedida de um amplo debate, onde a opinião do povo foi, mais uma vez, desprezada, já que a maioria da população não aceitava que terroristas, assassinos, sequestradores e assaltantes de bancos (ou cofres) fossem anistiados. Apesar da opinião contrária do povo, que havia sofrido as consequências nefastas da ação da guerra revolucionária, particularmente nas grandes cidades, a lei foi acordada, votada e aprovada como ampla, geral e irrestrita, incluindo os políticos, terroristas, guerrilheiros e agentes da repressão. Agora, instalados no poder, estes elementos, que tiveram uma atuação danosa para a sociedade, criando intranquilidade, medo e dor à inúmeras famílias de brasileiros pobres e sofridos, tentam, de forma vergonhosa e através de manipulações dos princípios básicos do direito, modificar uma lei depois de usufruir dos seus benefícios. Isto é inaceitável, uma atitude capciosa, que deve ser repudiada com veemência pelos homens decentes do país.
O assassinato de jovens soldados, que prestavam o serviço militar obrigatório e estavam de sentinela na porta dos seus quartéis, é insano, criminoso e covarde, no entanto foi esquecido com a anistia e beneficiou muitos dos políticos atualmente no poder. Para mim, não há luta política ou ideologia que justifique a morte de seres humanos inocentes. Presidente, há frutas podres no governo que, há muito tempo, deveriam ter sido demitidos. Nada acrescentam, só destilam ódio, exercitam suas frustrações, ou visam promoção pessoal além da conta.
Oportuna e corajosa a postagem do Aluizio Amorim, humildes cumprimentos.



O CAOS PROSSEGUE.

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Adriano Benayon

O ano de 2009 termina sem ter acabado o caos nem a manipulação dos mercados financeiros. Ao contrário, ambos continuam aumentando.

A lógica aponta, há muito tempo, para o colapso final do sistema imperial do dólar - cada vez menos sistema, e cada vez mais caos. Entretanto, os controladores das finanças mundiais forçam a sobrevivência desse intolerável pseudo-sistema, causando estragos cada vez maiores.

Eles se valem para isso do imenso poder de corrupção acumulado mediante os ganhos inimagináveis das manipulações financeiras, por meio das quais são criados - do nada, nos discos rígidos dos computadores dos bancos centrais, dos Tesouros e dos grandes bancos e instituições financeiras - dezenas e até centenas de trilhões de dólares, exclusivamente para servir ao poder dos concentradores.

Respingam para a economia real frações desprezíveis da avalanche de moeda e de títulos inventados nos bits da informática, fazendo definhar a estrutura produtiva e deteriorar-se as condições de vida dos habitantes do planeta.

Nesse império do absurdo, a lógica é espezinhada junto com as pessoas. O poder financeiro, mais concentrado que nunca, se tornou absolutista, pois os atuais detentores do poder dispõem de meios tecnológicos de comunicação e de moldagem das mentes, que lhes permitem exercer totalitarismo muito maior que os monarcas dos Séculos XVI e XVII e as ditaduras do Século XX.

Transgênicos

Este é um caso exemplar da destrutividade reinante também na economia real, dita produtiva. Nela cresce o espaço dos produtos nocivos à saúde e à vida humanas, em prejuízo dos que lhes são favoráveis. Um dos exemplos mais candentes dessa escalada para liquidar a humanidade são os cereais e outros alimentos transgênicos.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia o artigo completo em: http://www.alertatotal.net/2009/12/o-caos-prossegue.html

domingo, 27 de dezembro de 2009

BRIC A BRAC


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Pedro Chaves


Pretender comparar o Brasil (o B dos Brics) com os outros emergentes do acrônimo é tarefa, no mínimo ridícula, se não inútil.

O Brasil é tão fabulosamente mais rico que todos os demais países do mundo que qualquer comparação é digna de dó.

Este fato nos causa vantagens e desvantagens. A inveja, a cobiça e o ódio alheios nos colocam em uma posição desconfortável.

Os ataques da Oligarquia Financeira Transnacional serão cada vez mais graves e frequentes.
Pela analise dos atos de guerra praticados contra o Brasil recentemente, podemos identificar os propósitos e objetivos de nossos inimigos externos e internos.

O ataque e depredação do centro de pesquisas da Aracruz Celulose S.A. foi comandado por estrangeiros, que destruíram anos de trabalho e dedicação dos técnicos da empresa.

As pixações, depredações e imundícies, propositalmente impostas às cidades brasileiras tem como objetivo destruir o habitat da “burguesia” com a consequente desvalorização dos imóveis e pontos comerciais.

São Paulo é um exemplo do estropício urbano causado pelo “calçadão” que transformou as outrora elegantes ruas do centro, em feira livre de quinto mundo onde são comercializados produtos de origem ilegal e muitas vezes nocivos à saúde da população, sob as vistas grossas das autoridades, que prevaricam sem temor.

A negligência governamental com a segurança pública nos causou mais de dois milhões de assassinatos nos últimos vinte anos, ao mesmo tempo em que se procura desarmar apenas a população honesta e não os bandidos.

O dia 15 de maio de 2.006 nos mostrou quem de fato manda na cidade de São Paulo. As facções criminosas, treinadas por especialistas estrangeiros, conseguiram paralisar o maior centro financeiro do hemisfério sul.

A pretexto de prevenir assaltos e outros tipos de violência, síndicos inescrupulosos -conluiados com “empresas de segurança privada” - impõem custos ilegítimos a proprietários e inquilinos de imóveis comerciais e residenciais, violam a privacidade alheia e criam obstáculos e constrangimentos ao direito constitucional de ir e vir.

Em mais vinte ou trinta anos os hindus provavelmente morrerão de sede (uma vez que está baixando o lençol freático); os chineses morrerão de fome e os russos, de medo das máfias instaladas no pós – comunismo.

A Oligarquia Financeira Internacional vive hoje um dilema hamletiano:

Não pode destruir fisicamente o Brasil com suas ogivas nucleares ou seus terroristas, porque precisa de nossa comida, de nossa água e de nossos minérios;

Não tem condições de nos conquistar militarmente e manter a ocupação devido ao tamanho continental do Brasil e à unidade linguística e cultural de seu povo.

Só lhe resta o caminho da tentativa de nos dividir, de criar artificialmente ódios e rancores, de identificar e pagar regiamente aos que se dispõe a trair a Pátria.

Pedro Chaves é Advogado.

Transcrito do Blog "AlertaTotal".

domingo, 20 de dezembro de 2009


ESTRATÉGIA TOTALITÁRIA: CRIAR UM INIMIGO.



Trago para vocês um texto sobre análise formulada pelo historiador búlgaro auto-exilado na França, Tzvetan Todorov (foto), a respeito de uma característica dos regimes totalitários, que é criar inimigos e manter um permanente estado de guerra. Os totalitários sempre apontam nos seus discursos supostos inimigos que prejudicam os planos salvacionistas. Tanto é que recentemente Lula esbravejou que desejava “tirar o povo da merda”, insinuando que alguém tentava impedi-lo de realizar tal objetivo. Lula deixa subentendido que são os ricos os principais inimigos do povo, como fez o regime soviético. Deu no que deu.

Reparem: desde que assumiu o poder, Lula e o PT vem construindo inimigos internos, que qualificam de elite que explora os pobres, ou ainda elite branca que estaria segregando os negros e índios. No campo, o braço armado do PT, que é o MST, cria situações de agitação para acusar os ricos e o agro-negócio de inimigos dos pequenos agricultores e dos sem terra. No plano externo sugerem que os países desenvolvidos são responsáveis pelas desgraças dos povos botocudos. Já no âmbito interno estimulam o revanchismo contra a ditadura, embora o Brasil tenha sido redemocratizado e os militares estão desempenhando a sua missão profissional nos quartéis. Também elegem como inimigos do povo o que chamam de “mídia” e a culpam pelos problemas, a ponto de criarem projetos para “regular” ou liquidar com a liberdade de imprensa e por aí vai.


Leiam o que diz o historiador Tzvetan Todorov:

Tzvetan Todorov, historiador búlgaro auto-exilado na Fança, disse recentemente que os sistemas totalitário de governo podem dominar seus povos por dois meios: podem ser “particulrmente virulentos” e “manter-se em estado de guerra quase permanente”, como fez o nazismo na Alemanha, ou de um modo infinitamente mais eficaz, criar uma série de proteções do indivíduo que, em teoria, deveria permitir que vivesse sem sobressaltos, como fez o marxismo-leninismo na ex-União Soviética, mas que com o tempo tais supostos bens foram se transformando “numa espécie de sistema de segurança, que faz pensar nas prisões”.

O denominador comum em ambos os totalitarismos é sempre ter um inimigo a fim de manter e justificar seu poder limitador das liberdades individuais. A noção de ter um inimigo contra o qual há que lutar é indispensável aos totalitários, porque necessitam alguém a quem, entre outras coisas, possam colocar a culpa de seus fracassos e, além disso, justificar a supressão das liberdades individuais.
Leia MAIS en español – Read MORE in spanish

Transcrito do Blog do Aluizio Amorim:
http://aluizioamorim.blogspot.com/



sexta-feira, 18 de dezembro de 2009


Comentário da Semana de Gelio Fregapani


Assuntos: Relações Internacionais,
Meio Ambiente e Viagem à Rondônia

Relações Internacionais

O prestígio da economia brasileira já estava em crescimento antes da crise, mas foi esta que iniciou a mostrar a todos a imensa potencialidade da única nação que tem tudo que precisa em seu próprio território. Ficou claro que o País, mesmo enfrentando dificuldades, assumiu a liderança agrícola mundial. Já mandava no mercado de açúcar, café e tabaco. Agora, graças aos modernos sistemas de produção, passou a dominar na carne bovina, nas aves, na soja, no suco de laranja, sem falar no etanol. Isto é bom, mas riquezas atraem rivalidades e cobiças. Preocupam-se os estrangeiros com a concorrência das safras sucessivas no mesmo ano, da fruticultura deslanchando, da silvicultura dando um show de produtividade, do etanol se impondo. Nem as terríveis barreiras comerciais impedem o País de vencer o jogo da competição rural inter n acional.

Os povos mais industrializados já dependiam de nossos minérios, e tudo indica, dependerão do nosso petróleo. É arriscado ser rico e fraco. Nosso potencial é grande, mas “potencial” sozinho não significa “poder”. Poder é o potencial multiplicado pelo chamado fator “W”, significando a estratégia adequada e o empenho em levá-la adiante.

Vejamos rapidamente o fator “W” na política externa. No caso, a parceria com a França, parece-nos correta. Submarinos são o único meio de dissuasão que podemos ter no mar. O submarino nuclear, se chegarmos a construir a tempo, só terá poder de dissuasão se for dotado de mísseis nucleares. Claro, os aviões franceses não são os mais adequados, nem tampouco seriam os americanos ou suecos. Os únicos com capacidade de sobrevivência em uma guerra assimétrica seriam os de decolagem e pouso vertical. Os demais serão destruídos no solo em suas bases, talvez no primeiro dia da guerra. Isto não invalida a parceria com a França, que pode abranger a energia nuclear.

Reconhecemos ao ministro Jobim o mérito de ter envolvido a Sociedade na elaboração da Estratégia Nacional de Defesa, e ao Mangabeira Unger a contribuição com boas idéias. Contudo, é inútil nos prepararmos para a guerra que passou – foi anunciado a compra de 3.000 Urutus modernizados, numa época em que blindados tornaram-se obsoletos face aos mísseis modernos. Deveríamos desenvolver essas armas do presente e não as do passado. Motociclos e mísseis portáteis seria uma boa combinação. Armas manejadas a distância serão indispensáveis em futuro próximo.

O básico mesmo será a posse de armas nucleares. Quem as tiver e meios eficazes de lançá-las, jamais será atacado ou mesmo demasiadamente pressionado.

Apesar da incrível ingenuidade do nosso governo ao ceder as descabidas exigências bolivianas e a perdoar as dívidas de outros países, reconhecemos como verdadeiras suas declarações quando na visita do Ahmadinejad: "O que a gente espera é que aconteça o melhor, que não tenha arma nuclear no Irã, que não tenha arma nuclear em nenhum país do mundo. Que Estados Unidos desativem as suas, e a Rússia desative as suas. Porque autoridade moral para gente pedir pros outros não terem é a gente também não ter".

Ainda sobre política externa: apesar das justas preocupações de Israel, não há como deixarmos de apoiar o programa nuclear do Irã, pois as pressões americanas sobre o Brasil já iniciaram... “O Brasil deveria dar o exemplo e assinar os novos protocolos (que mantém o apartheid tecnológico)”. Isto significaria renunciar ao desenvolvimento. Entretanto não há justificativa para a nossa posição em Honduras. Se quisermos pautar nossa relações internacionais pela imposição da democracia (ao modelo PT), teríamos que romper com todo o mundo, talvez excetuando a Bolívia.

Meio Ambiente.

I - Aumenta a confusão sobre o Código Florestal. Agenda desastrosa. Ao invés de encontrar soluções, o governo cria novos problemas, deixando o agricultor, duplamente pressionado pelo Ibama e pelo MST, obrigado a prover sua própria segurança, o que não se sabe como terminará.

II - O empenho britânico em manter as florestas tropicais tem objetivo claro: intocadas obstaculizar o desenvolvimento socioeconômico das vastas regiões onde elas estão localizadas, mantendo a Amazônia subpovoada, isolada e retalhada por dezenas de territórios indígenas em busca de "autonomia". como uma imensa reserva de recursos naturais, A política de "desmatamento evitado" promovida por Londres deve ser chamada pelo que realmente é: desenvolvimento evitado.

III - Excesso de entraves . As vezes o Lula tem razão. Comentou que vai apresentar "um relatorio de coisas absurdas" que motivaram paralisações de várias obras federais. Citou como exemplo o "caso da machadinha". Uma pessoa achou uma pedra parecida com um machadinho indígena, e isto causou a paralisação de uma das obras do São Francisco por nove meses. Depois, ficou constatado que aquilo era só uma pedra comum. Neste quadro caótico é coerente acreditar nas notícias de que por causa dos bagres a Marina Silva retardou por quatro anos a contrução das hidrelétricas do rio Madeira e que para salvar uma perereca já se paralizou uma obra.

Se o País quer crescer vai precisar mudar de atitude. Com que direito alguém para uma obra por nove meses? Qual é o custo para o País? Isso vai ter de mudar!

Com a candidatura da Marina, parece que todos os postulantes querem se mostrar mais ecologistas do que o outro. Ninguém pensa no Brasil? No progresso? Nos empregos?
IV - Em nome do meio ambiente, o Conselho indígena de Roraima, o CIR, impediu, até hoje, a construção de uma hidrelétrica no Rio Cotingo, que resolveria o problema da energia em Roraima e ainda aliviaria o problema da Zona Franca de Manaus. A energia, importada da Venezuela, tida como um grande feito que teria resolvido o problema pelo menos por 20 anos, começa a ser um motivo de preocupação. Lá no país do Hugo Chàvez, está faltando energia para uso dos próprios venezuelanos. Isto é só o começo .

Viagem à Rondõnia para conhecer as hidrelétricas em construção no rio Madeira

Naquela região o País está avançando. Na larga faixa de transição entre o cerrado e a floresta (o arco de fogo do Ibama), vemos a sucessão de fazendas de criação de gado e agricultura bem organizada. As pequenas cidades, bem cuidadas, lembram a construção da estrada no governo militar; chamam-se presid. Médice, min. Anreazza e outros mais. Tudo lá cheira a progresso. As pessoas se mostram dinâmicas e felizes. Até a estrada está bem cuidada, mostrando que o PAC, ao menos lá, funciona.

A hidrovia do Madeira poupa 40 dólares de frete, por tonelada, tornando nossa soja competitiva. As construções das hidrelétricas já estão trazendo o desenvolvimento almejado.

Que Deus guarde a todos vocês

Gelio Fregapani

Recebido por e-mail.


domingo, 13 de dezembro de 2009

Major Elza foi a primeira voluntária brasileira na 2ª Guerra Mundial
Morre a mulher mais condecorada do país


Faleceu na última terça-feira (8), aos 88 anos, a major Elza Cansanção Medeiros, a mulher militar mais condecorada do Brasil, com 36 medalhas. Major Elza, que morreu no Rio, foi a primeira brasileira a se apresentar como voluntária na Diretoria de Saúde do Exército, para lutar na Segunda Guerra Mundial, aos 19 anos de idade.

Segundo o Comando Militar do Leste, ela sonhava em lutar na linha de frente, mas teve que se conformar em seguir como uma das 73 enfermeiras no Destacamento Precursor de Saúde da Força Expedicionária Brasileira, já que, na época, o Exército Brasileiro não aceitava mulheres combatentes.

Durante a guerra, ela trabalhou nos hospitais de evacuação na Itália, distante do front, em turnos de 12 horas. Segundo o CML, nenhum soldado que foi tratado por ela morreu. Ela atuou como oficial de ligação e enfermeira-chefe no 7th Station Hospital, em Livorno. Em sua folha de serviço da Itália, constam elogios não só pela atuação como enfermeira, mas também como intérprete, uma vez que falava fluentemente cinco idiomas. Com o fim da guerra, foi dispensada logo após o retorno ao país, indo trabalhar no Banco do Brasil.

Em 1957, as mulheres foram reconvocadas, podendo vir a ser militares de carreira. Dona Elza então retornou, continuando a trabalhar como enfermeira. De acordo com o CML, Elza era formada em jornalismo e artista plástica e, mesmo tendo trabalhado no Serviço Nacional de Informações (SNI), jamais pensou em abandonar a carreira militar.

Ela aprendeu a pilotar ultraleves aos 60 anos de idade. Escreveu seis livros, sendo três sobre sua participação na Segunda Guerra e deu sugestões importantes para a criação de um corpo auxiliar feminino para as Forças Armadas, base para a abertura das Forças Armadas do Brasil à participação das mulheres.

O corpo da Major Elza foi cremado após o velório, que aconteceu no salão nobre do Palácio Duque de Caxias, no Rio de Janeiro.

Entre as medalhas que recebeu estão as seguintes:

Ordem do Mérito Militar - Grau Cavaleiro – 1979.
Medalha da Ordem do Mérito Militar - Promovida a Oficial em 1989.
Medalha de Campanha da Força Expedicionária Brasileira.
Medalha do Mérito Tamandaré – Ministério da Marinha.
Meritorius Service United Plaque - Exército Americano - USA – 1944.
Medalha de Guerra –1945.
Medalha do Soldado Polonês Livre.
Medalha Ancien Combatant du Tatre du Operacion du L’Orope – França (única mulher a receber).

Recebido por e-mail de José Maria da Silva.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009


O último combate de Elza

Quinta-feira, 10 dezembro, 2009, às 15:15

Quando as “cobras-fumantes”, as tropas da Força Expedicionária Brasileira, desembarcaram em Nápoles, em 1944, duas mulheres ajudaram a tornar mais leve o fardo dos homens que foram lutar numa guerra cujas razões nem sequer diziam respeito a seu país. Uma delas, Major Elza Cansanção Medeiros, faleceu nesta terça-feira (8/12), aos 88 anos. Elza era a mulher mais condecorada do Brasil, segundo o Comando Militar do Leste, com 35 medalhas; a primeira brasileira a se apresentar como voluntária na Diretoria de Saúde do Exército, para lutar na Segunda Guerra Mundial, aos 19 anos.

Na Itália, Major Elza conheceu Clarice Lispector, que acompanhava o marido diplomata. “Como não havia assistentes sociais no Exército brasileiro, Clarice ‘solicitou das autoridades militares, quer brasileiros, quer americanos, autorização para diariamente visitar o hospital e conversar um pouco com os doentes’, lembrava Elza.” Quem nos revela o fato é o norte-americano Benjamin Moser, autor da biografia Clarice,.

“Nos lançamentos de Clarice, em São Paulo, Rio de Janeiro e Recife, as pessoas perguntaram muito sobre as minhas experiências durante o processo do livro. É uma aventura fascinante, sobretudo por causa das pessoas que se encontra pelo caminho. Sempre comento sobre a veterana mais antiga da FEB, a Major Elza, que ainda se lembrava de Clarice Lispector na Itália de 1944, cortando as unhas dos pés dos pracinhas. Elza foi, de fato, uma pessoa única e sempre guardarei na memória nossas conversas, assim como sua dedicação total ao Brasil”, disse Moser ao saber da morte da veterana.

Segundo informações de periódicos de Alagoas, terra dos pais de Elza, ela sonhava em lutar na linha de frente, mas teve que se conformar em seguir como uma das 73 enfermeiras no Destacamento Precursor de Saúde da Força Expedicionária Brasileira, já que, na época, o Exército Brasileiro não aceitava mulheres combatentes.

O Comando Militar do Leste detalhou a participação de Elza na guerra: ela trabalhou nos hospitais de evacuação na Itália e nenhum soldado que foi tratado por ela morreu. Atuou como oficial de ligação e enfermeira-chefe no 7th Station Hospital, em Livorno. Com o fim da guerra, foi dispensada logo após o retorno ao país, indo trabalhar no Banco do Brasil.

Transcrito do Blog da COSACNAIFY:

http://editora.cosacnaify.com.br/blog/


Liga da Defesa Nacional

Diretoria do Estado do Rio de Janeiro
Homenagem a Olavo Bilac
Patrono dos Reservistas

O Presidente da Diretoria do Estado do Rio de Janeiro
Dr Joarry Baptista Santos, tem a honra de convidar V.Exa/V.Sa e
Família para entrega das Medalhas e Diplomas do Mérito Cívico e Cultural
da Liga da Defesa Nacional como parte das comemorações do Aniversário de
Olavo Bilac e do Dia do Reservista a ser realizado no dia 16 de Dezembro de
2009, às 10 horas no auditório do CEP – Centro de Estudo de Pessoal.

Local: Forte Duque de Caxias ( Forte do Leme)
Praça Almirante Júlio de Noronha s/no
Leme – Rio de Janeiro – RJ
Traje: Esporte Fino Confirmar a Presença: (21) 2508 9655 e 9778 9888

sábado, 28 de novembro de 2009




O 27 DE NOVEMBRO


Aristoteles Drummond, jornalista, é vice-presidente da Associação Comercial do Rio de Janeiro

A esquerda, depois da criação da URSS e da longa ditadura de Stalin – que em seu país era imposta pela força policial e no resto do mundo pela força do dinheiro e pelo comportamento natural dos ressentidos com a vida e de inteligência estreita –, especializou-se em esconder a verdade, os fatos históricos. E, nas últimas décadas, com a democratização da cultura e a quebra do monopólio comunista nos meios intelectuais, onde ainda é muito presente, deram para justificar o injustificável.

Acabamos de assistir a esta novela hondurenha, em que a imprensa mundial insistiu em falar em golpe, quando o presidente foi deposto pelo Congresso e pelo Judiciário. O único erro foi terem deportado-o. Mas tem sido sempre assim, quando se justificam as mortes causadas por Guevara, friamente, nos primórdios da Revolução cubana e pelos integrantes da luta armada no Brasil, que são apresentados como que heróis “na luta contra a ditadura”. Farsa, desonestidade. Em primeiro lugar, vivemos um período autoritário, mas nunca ditatorial. O Congresso funcionou, com raras interrupções, como a feita por ocasião da edição do AI-5 e no governo Geisel. No entanto, ficou aberto nos três demais governos. Em segundo, é que nem os membros da luta armada negam que eram comunistas, revolucionários e queriam implantar modelo de governo à semelhança de Cuba.

Agora, uma cortina de silêncio é imposta aos nossos militares em relação ao 27 de novembro, data da Intentona Comunista no Rio, Natal e Recife. Episódio histórico, em que oficiais chegaram a ser assassinados por companheiros enquanto dormiam. Os acontecimentos foram fartamente noticiados na ocasião, livros foram escritos – inclusive o de Helio Silva, insuspeito historiador da República – e os militares sempre lembraram seus mortos, como alerta para que a ignomínia nunca venha a se repetir.

Getulio Vargas, depois, a todos anistiou. Muitos voltaram à vida política e à partidária, até 64 e depois da anistia de 79, com João Figueiredo. São muitos os depoimentos que confirmam a violência e a barbaridade do movimento. Mas os militares, que escolhem a carreira por amor à Pátria e desprendimento, nunca foram buscar nos cofres públicos benesses para as famílias dos seus mortos ou de seus heróis, como o Brigadeiro Eduardo Gomes, no Rio, e o então Tenente Dinarte Mariz, no Rio Grande do Norte.
No entanto, não faltam os que desejam negar os fatos, na mesma linha que hoje os radicais iranianos querem negar o holocausto. Todos vinhos da mesma pipa, como se diz popularmente. Mentem, sabem que estão mentindo, mas aprenderam assim com Lênin e, assim, vão continuar. No caso brasileiro, negam-se a leitura dos jornais, muitos que ainda circulam, que noticiaram 35 e depois 64, que foi um movimento cívico, com respaldo militar.

Lembrar 35 é importante, é ético e moral. Saber o que alguns pensam desta página de nossa história também é importante para avaliação. Não podemos esquecer os riscos que corremos no passado e que não estão de todo afastados da América Latina, que sofre um retardo social e econômico em relação às nações mais cultas. E mais: demora a assimilar as mudanças do mundo, como a democracia que alcançamos e que pode ser usada, nesta fase, para o controle das liberdades de empreender (pela via das restrições ambientais e violações do direito à propriedade, por exemplo) e de imprensa. Aliás, esta foi a grande surpresa das esquerdas, já que a imprensa resiste a uma nota só, embora ainda se mantenha presa ao passado cuidadosamente costurado ao longo de décadas. Temos uma nova geração, independente, mas ainda envenenada pelo martelar de anos de mistificação. Muita gente chegou a pensar que nos EUA não existiam comunistas nem esquerdistas, pois estes, quando no poder, com Franklin Roosevelt, passaram a ser denominados de “liberais”, na melhor técnica da dialética leninista.

Os homens de boa vontade, sejam de que posição for, sabem que 27 de novembro de 1935 é uma data para não ser esquecida.

Transcrito da página de Aristóteles Drumond:
http://www.aristotelesdrummond.com.br/



segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Queda ou crescimento econômico?


Para o indivíduo comum a economia tem apenas de “ir bem”, seu emprego garantido e assim ele toca a vida. Já para os dirigentes dos países a economia é o seu calcanhar de Aquiles.

Hoje no mundo pós-crise, temos situações inusitadas criadas pelo rebalanço das forças econômicas que patrocinaram o extenso crescimento econômico dos últimos dez anos.

Uma delas diz respeito à política de juros do BC brasileiro. Nosso BC está enfrentando uma situação inusitada. Se por um lado o Brasil acumula reservas devido ao fato de que há no mundo excesso de dólares a juros zero, esse fato pode trazer, e está trazendo, fortes preocupações ao parque industrial nacional que se vê ameaçado pela forte valorização que o real vem experimentando. Nossas indústrias perdem competitividade na hora de vender seus produtos, frente aos produtos de países que mantém suas moedas desvalorizadas, e pares, frente ao dólar, caso da China.

Para coibir tal situação seria preciso mais que colocar uma barreira de 2% nas entradas de capitais, seria preciso executar forte queda nas taxas de juros internas, o que é impraticável economicamente no Brasil, como ficou provado. Perdemos a oportunidade de deixar a taxa de juros no Brasil igual a países de primeiro mundo.

O real forte é visto pela população brasileira como uma prova de que o Brasil saiu do seu eterno lugar de país em desenvolvimento. A mídia no mundo inteiro dá ao Brasil um lugar de destaque.

Afinal por que o Brasil está se destacando perante outros países? o que afinal acontece aqui que não acontece em outros lugares? Entrada de dólares não é privilegio nacional. Outros países enfrentam o mesmo problema do Brasil e já estão deveras preocupados com a situação.

Na verdade essa “vantagem brasileira” é uma desvantagem descomunal, só não vista pelos nossos dirigentes, que na verdade não sabem bem o que fazer. Eles acham que, enquanto reservas estão sendo amealhadas, bolsas subindo, a economia crescendo, tudo está certo.

Onde a economia cresce por fundamentos reais como na China, a moeda não se valoriza, o dinheiro entra para investimentos de longo prazo, as indústrias florescem e tem preços competitivos, o que lhes traz lucros e faz a bolsa subir.

No Brasil, as indústrias estão aumentando suas dívidas, perdendo competitividade, perdendo vendas e lucros, exportando empregos, e mesmo assim as bolsas sobem. Afinal como se explica esse fenômeno brasileiro?

O governo tem de enfrentar essa bolha especulativa no mercado de ações e para isso tem de aumentar juros, exatamente o contrário do que deve fazer para parar a bolha no mercado de cambio. Com a competência brasileira nos não fazemos absolutamente nada. Por quê?

Porque temos de lidar com a inflação. Se baixarmos os juros mais ainda, vamos colocar a inflação de volta nos preços, e isso é tudo o que o Brasil não quer. Então deixamos a situação do mundo ir onde deve ir porque por aqui não podemos fazer mais nada para tentar coibir os efeitos do excesso de dinheiro.

Se o governo se mexer aumentando os juros quebra de vez a indústria nacional, se ele derrubar juros traz a inflação de volta. Sinuca de bico, diria o mineirinho.

Essa sopa de problemas internos tem a ver com a crise não acontecida, a tal marolinha.

O mundo está diante do fato de que a crise vai começar para valer. Depois do repique dado pelo impulso do dinheiro fácil, barato, sem custo, que o FED colocou no mercado para “salvar o mundo” a situação do resto do mundo é a mesma da brasileira. O único país que não sofre os efeitos da desvalorização do dólar é a China. Não é à toa que Obama está lá hoje para reclamar da paridade entre a moeda chinesa e o dólar. A China tem a política que chamo de “aonde a vaca vai o boi vai atrás”, os seja paridade com o dólar. Ela não perde competitividade, não deixa o mundo fazer a mudança necessária nos seus desequilíbrios, e trás muita instabilidade, ao contrário do que a mídia quer nos fazer acreditar.

A China não é a solução para o mundo, a China é o problema do mundo.

A população humana acredita mesmo que o crescimento contínuo é a única solução para a crise. Acredita que é possível crescer indefinidamente com recursos escassos e finitos. Com o excesso de dinheiro posto no mercado, e com os recursos escassos que teremos nos próximos anos, não se vê como é que a economia poderá crescer por muito mais tempo. Estamos entrando no ciclo de queda econômica. Isso é um fato.

Ainda bem que eu não vou estar aqui para ver os acontecimentos do futuro.


Transcrito de Nathal & Candlesticks:

http://nathal.zip.net/

domingo, 15 de novembro de 2009



GRAMSCI E A COMUNIZAÇÃO DO BRASIL


Por Anatoli Oliynik

Em lugar algum no mundo o pensamento de Gramsci foi tão disciplinadamente aplicado como está sendo no Brasil, agora pelo PT, cuja nomenklatura governamental segue com rigor as orientações emanadas dosintelectualóides uspianos que dirigem o Foro de São Paulo e que têm como cartilha os Cadernos do Cárcere, de Gramsci.

Quem não está familiarizado com as ideologias políticas, por certo estará perguntando: Quem foi Gramsci e qual sua relação com o comunismo brasileiro?

Antonio Gramsci (1891-1937), pensador e político foi um dos fundadores do Partido Comunista Italiano em 1921, e o primeiro teórico marxista a defender que a revolução na Europa Ocidental teria que se desviar muito do rumo seguido pelos bolcheviques russos, capitaneados por Vladimir Illitch Ulianov Lênin (1870-1924) e seguido por Iossif Vissirianovitch Djugatchvili Stalin (1879-1953).

Durante sua prisão na Itália em 1926, que se prolongou até 1935, escreveu inúmeros textos sobre o comunismo os quais começaram a ser publicados por partes na década de 30, e integralmente em 1975, sob o título Cadernos do Cárcere. Esta publicação, difundida em vários continentes, passou a ser o catecismo das esquerdas, que viram nela uma forma muito mais potente de realizar o velho sonho de implantar o totalitarismo, sem que fosse necessário o derramamento de sangue, como ocorreu na Rússia, na China, em Cuba, no Leste Europeu, na Coréia do Norte, no Camboja e no Vietnã do Norte, países que se tornaram vítimas da loucura coletiva detonada por ideólogos mentecaptos.

Gramsci professava que a implantação do comunismo não deve se dar pela força, como aconteceu na Rússia, mas de forma pacífica e sorrateira, infiltrando, lenta e gradualmente, a idéia revolucionária.

A estratégia é utilizar-se de diplomas legais e de ações políticas que sejam docilmente aceitas pelo povo, entorpecendo consciências e massificando a sociedade com uma propaganda subliminar, imperceptível aos mais incautos que, a priori, representam a grande maioria da população, de modo que, entorpecidos pelo melífluo discurso gramsciano, as consciências já não possam mais perceber o engodo em que estão sendo envolvidas.

A originalidade da tese de Gramsci reside na substituição da noção de “ditadura do proletariado” por “hegemonia do proletariado” e “ocupação de espaços”, cuja classe, por sua vez, deveria ser, ao mesmo tempo, dirigente e dominante. Defendia que toda tomada de poder só pode ser feita com alianças e que o trabalho da classe revolucionária deve ser primeiramente, político e intelectual.

A doutora Marli Nogueira, juíza do trabalho em Brasília, e estudiosa do assunto, nos dá a seguinte explicação sobre a “hegemonia”:

“A hegemonia consiste na criação de uma mentalidade uniforme em torno de determinadas questões, fazendo com que a população acredite ser correta esta ou aquela medida, este ou aquele critério, esta ou aquela ´análise da situação´, de modo que quando o comunismo tiver tomado o poder, já não haja qualquer resistência. Isto deve ser feito, segundo ensina Gramsci, a partir de diretrizes indicadas pelo ´intelectual coletivo´ (o partido), que as dissemina pelos ´intelectuais orgânicos´ (ou formadores de opinião), sendo estes constituídos de intelectualóides de toda sorte, como professores – principalmente universitários (porque o jovem é um caldo de cultura excelente para isso), a mídia (jornalistas também intelectualóides) e o mercado editorial (autores de igual espécie), os quais, então, se encarregam de distribuí-las pela população”.

Quanto à “ocupação de espaços”, pode ser claramente vislumbrada pela nomeação de mais de 20 mil cargos de confiança pelo PT em todo o território brasileiro, cujos detentores desses cargos, militantes congênitos, têm a missão de fazer a acontecer a “hegemonia”.

Retornando a Gramsci e segundo ele, os principais objetivos de luta pela mudança são conquistar, um após outro, todos os instrumentos de difusão ideológica (escolas, universidades, editoras, meios de comunicação social, artistas, sindicatos etc.), uma vez que, os principais confrontos ocorrem na esfera cultural e não nas fábricas, nas ruas ou nos quartéis. O proletariado precisa transformar-se em força cultural e política, dirigente dentro de um sistema de alianças, antes de atrever-se a atacar o poder do Estado-burguês. E o partido deve adaptar sua tática a esses preceitos, sem receio de parecer que não é revolucionário. Isso o povo brasileiro não está percebendo, pois suas mentes já foram entorpecidas pelo governo revolucionário que está no poder.

Desta forma, Gramsci abandonou a generalizada tese marxista de uma crise catastrófica que permitiria, como um relâmpago, uma bem sucedida intervenção de uma vanguarda revolucionária organizada. Ou seja, uma intervenção do Partido. Para ele, nem a mais severa recessão do capitalismo levaria à revolução, como não a induziria nenhuma crise econômica, a menos que, antes, tenha havido uma preparação ideológica. É exatamente isto que está acontecendo no presente momento aqui no Brasil: A preparação ideológica. E está em fase muito adiantada, diga-se de passagem.

Segundo a doutora Marli Nogueira:

“Uma vez superada a opinião que essa mesma sociedade tinha a respeito de várias questões, atinge-se o que Gramsci denominava ´superação do senso-comum´, que outra coisa não é senão a hegemonia de pensamento. Cada um de nós passa, assim, a ser um ventríloquo a repetir, impensadamente, as opiniões que já vêm prontas do forno ideológico comunista. E quando chegar a hora de dizer ´agora estamos prontos para ter realmente uma ´democracia´ (que, na verdade, nada mais é do que a ditadura do partido), aceitaremos também qualquer medida que nos leve a esse rumo, seja ela a demolição de instituições, seja ela a abolição da propriedade privada, seja ela o fim mesmo da democracia como sempre a entendemos até então, acreditando que será muito normal que essa ´volta à democracia´ se faça por decretos, leis ou reformas constitucionais”.

Lênin sustentava que a revolução deveria começar pela tomada do Estado para, a partir daí, transformar a sociedade. Gramsci inverteu esses termos: a revolução deveria começar pela transformação da sociedade, privando a classe dominante da direção da “sociedade civil” e, só então, atacar o poder do Estado. Sem essa prévia “revolução do espírito”, toda e qualquer vitória comunista seria efêmera.

Para tanto, Gramsci definiu a sociedade como “um complexo sistema de relações ideais e culturais” onde a batalha deveria ser travada no plano das idéias religiosas, filosóficas, científicas, artísticas etc. Por essa razão, a caminhada ao socialismo proposta por Gramsci não passava pelos proletariados de Marx e Lênin e nem pelos camponeses de Mão Tse Tung, e sim pelos intelectuais, pela classe média, pelos estudantes, pela cultura, pela educação e pelo efeito multiplicador dos meios de comunicação social, buscando, por meio de métodos persuasivos, sugestivos ou compulsivos, mudar a mentalidade, desvinculando-a do sistema de valores tradicionais, para implantar os valores da ideologia comunista.

Fidel Castro, com certeza, foi o último dinossauro a adotar os métodos de Lênin. Poder-se-á dizer que Fidel é o último dos moicanos às avessas considerando que seus discípulos Lula, Morales, Kirchner, Vasquez e Zapatero, estão aplicando, com sucesso, as teses do Caderno do Cárcere, de Antônio Gramsci. Chávez, o troglodita venezuelano, optou pelo poder força bruta e fraudes eleitorais. No Brasil, por via das dúvidas, mantêm-se ativo e de prontidão o MST e a Via Campesina, como salvaguarda, caso tenham que optar pela revolução cruenta que é a estratégia leninista.

Todos os valores que a civilização ocidental construiu ao longo de milênios vêm sendo sistematicamente derrubados, sob o olhar complacente de todos os brasileiros, os quais, por uma inocência pueril, seja pelo resultado de uma proposital fraqueza do ensino, seja por uma ignorância dos reais intentos das esquerdas, nem mesmo se dão conta de que é a sobrevivência da própria sociedade que está sendo destruída.

Perdidos esses valores, não sobra sequer espaço para a indignação que, em outros tempos, brotaria instantaneamente do simples fato de se tomar conhecimento dos últimos acontecimentos envolvendo escancaradas corrupções em todos os níveis do Estado..

O entorpecimento da razão humana, com o conseqüente distanciamento entre governantes e governados, já atingiu um ponto tal que, se não impossibilitou, pelo menos tornou extremamente difícil qualquer tipo de reação por parte do povo.

Estando os órgãos responsáveis pela sua defesa – imprensa, associações civis, empresariado, clero, entre outros – totalmente dominados pelo sistema de governo gramsciano que há anos comanda o País, o resultado não poderia ser outro: a absoluta indefensabilidade do povo brasileiro. A este, alternativa não resta senão a de assistir, inerme e inerte, aos abusos e desmandos daqueles que, por dever de ofício, deveriam protegê-lo em todos os sentidos.

A verdade é que os velhos métodos para implantação do socialismo-comunismo foram definitivamente sepultados. Um novo paradigma está sendo adotado, cuja força avassaladora está sendo menosprezada, e o que é pior, nem percebido pelo povo brasileiro.

O Brasil está sendo transformado, pelas esquerdas, num laboratório político do pensamento de Gramsci sob a batuta de Lula, o aluno aplicado, e a tutela do Foro de São Paulo.

Recebido por e-mail.


sábado, 14 de novembro de 2009


Boas e más notícias.

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Arlindo Montenegro


A politicagem mundial vai enfrentar, na Conferência sobre o Clima, um desafio às afirmações veiculadas pela WWF, ONGs e Institutos Internacionais que afirmam ter-se esgotado a capacidade da terra de absorver o gás carbônico, o que supostamente causaria o tal “efeito estufa”.

Mais de 30 mil cientistas declararam seu ceticismo em relação à onda de propaganda política fundamentada em medições e metodologia inapropriada. Mas os políticos vão manter suas posições e continuar com o terrorismo que tem outros objetivos, diferentes da movimentação ambientalista pretensamente científica.

O professor Gilberto Câmara, diretor do INPE, declarou há pouco tempo que os dados sobre emissão de CO2 pelo desmatamento são chutados. O Dr. Guido van der Werf, da Universidade de Amsterdam, na Holanda, utilizando dados de sua equipe de campo, “concluiu que as emissões geradas pelas queimadas estão superestimadas, em alguns casos sendo calculadas como se fossem o dobro do que os dados indicam”, (Revista Nature Geoscience).

Mesmo assim, os ambientalistas continuam em sua perseguição, mandando prender os criminosos agricultores que preparam a terra para produzir mais alimentos. As estatísticas provam que percentualmente são presos mais trabalhadores que bandidos e narcotraficantes.

É o site “Inovação Tecnológica” que informa sobre uma pesquisa efetuada na Universidade de Bristol, demonstrando que “a quantidade do gás em suspensão na atmosfera e a que é absorvida, se manteve praticamente constante desde 1850, apesar das emissões causadas pelo homem”. Estas emissões chamadas de “antropogênicas” saltaram de 2 bilhões para 35 bilhões de toneladas anuais e a natureza absorveu tudo! Tudinho!

Cai a máscara dos estudos “científicos” a serviço das ambições políticas. Os métodos utilizados por essa gente, são inadequados para um tratado internacional legítimo sobre o controle político de mudanças climáticas. “Os pesquisadores descobriram que a taxa de aumento dos gases em suspensão na atmosfera tem oscilado entre 0,7% e 1,4% a cada década, desde 1850. Segundo o Dr. Wolfgang Knorr, coordenador do estudo, "isso é essencialmente zero."

Henrique Dmyterko, já nos havia alertado sobre a “ecovigarice, possuidora de uma misteriosa consciência ecológica” caracterizada por mentiras imorais que preenchem os espaços da desinformação política, social, crítica, histórica, educacional, formulada em circuito fechado pelos revolucionários niilistas, pelos dogmáticos seguidores dos Mincs, Marilenas, Marx, Russeau, Dilmas e Lulas, que “.não buscam a apreensão e o conhecimento de aspectos da realidade, quer através das ciências particulares ou da filosofia, mas ao contrário, buscam, na marra, transformá-la por inteiro.

“A sopa rala e venenosa é servida ao grande público pela mídia, alimentando a palpitaria esquizofrênica global. É como diz um amigo toda vez que ouve ou lê uma estupidez consensual: Para o fundo! E avante! Mas nem tudo está perdido. Se o doloroso peso da realidade econômica acabará por se impor, sepultando legislações absurdas e discursos idem, também no campo científico começam a ser ouvidas as vozes daqueles que conseguem ver através dessa densa cortina de fumaça político-midiática que espalha o falso consenso do aquecimento global antropogênico”. (Cit. Dmyterko)

A poluição existe e os crimes ambientais também: petróleo derramado contaminando vastas áreas, gazes industriais venenosos espalhados sem controle, despejos tóxicos infiltrados nas nascentes, resíduos atômicos a céu aberto contaminando populações. Mas os ambientalistas contaminados por Al Gore, Obama e o Príncipe Charles trabalham pelo interesse imediato da agenda socialista da Nova Ordem Mundial. Quanto mais terrorismo, melhor.

Aron Wildavsky, da Universidade de Berkeley constatou: “Somente o (controle do) aquecimento, negando o carbono à produção e consumo é capaz de realizar o sonho do ecologista por uma sociedade igualitária baseada na rejeição do crescimento econômico, a favor de uma população menor, comendo pouco na cadeia alimentícia, consumindo muito menos, e compartilhando um baixo nível de vida em maior igualdade.”

Os poderosos vão para a Dinamarca com um propósito infame. Mas terão de tirar a máscara de bondade e expor seus verdadeiros motivos. As justificativas que carregam em seus estudos científicos são falsas. Os que verdadeiramente prezam a dúvida como motor do conhecimento, já deram sua palavra. A má notícia é que os políticos só ouvem a própria voz.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

Transcrito do "Alerta Total":
www.alertatotal.net

quinta-feira, 5 de novembro de 2009



Fazendeiros em pânico no sul do estado do Pará.



Mais imagens da invasão das fazendas





Fazendas invadidas no sul do Pará






O sul do Pará pega fogo !!!!
Duas fazendas, uma do Roque Quagliatto - ??? - em Xinguara foi totalmente depredada. Roque deve ter em torno de 200 mil cabeças de gado.
Rodrigo de Paula do Grupo Santa Bárbara também teve a fazenda que comanda invadida e depredada.
Este MST já passou dos limites, está na hora de um freio. Desde quando duas fazendas produtivas podem ser invadidas ?
Invariram casas, fecharam a estrada, colocaram fogo, pegaram o trator e derrubaram muita coisa, mataram animais, um verdadeiro inferno.
Nesta madrugada a ação não foi diferente em Eldorado dos Carajás, Sul do Pará, onde manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) cumpriram a promessa anunciada desde o início da semana, invadindo e destruindo casas de funcionários da Fazenda Maria Bonita, onde inclusive crianças encontravam-se dormindo, queimaram tratores e currais e agrediram funcionários que foram abrigados a deixar suas residências no meio da noite.
Agora pela manhã, o MST fechou a rodovia PA 150 na região, impedindo o trânsito na estrada e intensificando suas ações de terrorismo, o que permanece até o momento.
Vale destacar que a Agro Santa Barbara Xinguara, esta invadida desde 25 de julho de 2008.
Nos últimos tempos os membros do MST, Movimento dos Trabalhadores sem Terra, têm cometido crimes de destruição de propriedades e pelas notícias que temos não sofrem nenhuma punição.
O terrorimo dessa madrugada ocorreu também em um dos núcleos da Fazenda Rio Vermelho denominado Quamasa.
No local, aproximadamente 100 homens fortemente armados chegaram de caminhão, arrombando porteiras, correntes, cadeados, atirando, renderam os funcionários, mulheres e crianças, ameaçando-os de morte.
Na mesma ocasião atearam fogo no recinto de leilão da fazenda, rasgaram sacos de semente de milho que ali estava depositado, quebraram toda estrutura do recinto, viraram botijões de semem, retiraram os móveis dos funcionários de suas residências e depredaram todas as casas, quebrando janelas, pias de cozinha, pias e vasos sanitários dos banheiros.

Transcrito do "Blog do Bacana":
http://blogdobacana-marcelomarques.blogspot.com/

No referido Blog outras imagens do absurdo.


terça-feira, 3 de novembro de 2009


Afinal não sou somente eu que entende da mesma maneira.Não é mais do que uma simples e temerária aposta.

O uso intensivo da mídia pela Petrobras e pelo Governo Federal para vender a chamada descoberta de petróleo do século e a redenção do BRASIL é um caso típico de desserviço prestado ao BRASIL e ao seu povo, um país com problemas crônicos, principalmente na área da educação e da saúde, que clamam por solução de há muito, para que a Presidência da República coloque o Congresso Nacional contra os brasileiros e as futuras gerações, forçando-o a aprovar, em regime de urgência, um marco regulatório para a exploração de petróleo do PRÉ-SAL, que não serve para nada no momento, a não ser desviar a atenção da população de seus reais problemas.

É que toda e qualquer declaração atual sobre qualquer possível volume de petróleo descoberto no PRÉ-SAL não passa de pura especulação. Não existe no mundo ninguém e nenhum geólogo de petróleo em nenhuma companhia de petróleo, inclusive na Petrobras, que consiga chegar a um desses valores declamados em prosa e verso e provar que ele é verdadeiro. São somente estimativas, em virtude da falta de uma base confiável de parâmetros que permitam cubar qualquer reserva de petróleo dessa ordem de grandeza.

O conhecimento adquirido pela indústria do petróleo ao longo de mais de um século de exploração no mundo inteiro mostra ser muitíssimo pouco provável, ou melhor, impossível a existência de um lençol contínuo de petróleo como este anunciado para o PRÉ-SAL, devido a uma série de impossibilidades: físicas, químicas, biológicas e, principalmente, geológicas.

Deste modo, é uma falácia a afirmação de que temos um lençol de petróleo no PRÉ-SAL de tamanho 800km x 200km ao longo da Costa Leste Brasileira.

Portanto, este marco regulatório, que se tenta aprovar em regime de urgência, sem uma discussão ampla com a sociedade, é apenas a volta pura e simples, de forma disfarçada, ao monopólio estatal de petróleo; um verdadeiro desserviço que estão prestando ao BRASIL, um verdadeiro crime de lesa-pátria.

A Petrobras, literalmente de pires na mão, não está dando conta sequer do que foi planejado estrategicamente para se explorar acima da camada de sal, como poderia arcar com os investimentos no PRÉ-SAL, se estes realmente se viabilizarem, sabe-se lá quando? Com o marco regulatório aprovado do jeito que está sendo proposto, sem uma discussão ampla e profunda com todos os setores, não teremos nenhum aporte de capital estrangeiro, e não se explora e se produz petróleo, muito menos ainda no PRÉ-SAL, com bananas e tacapes e sim com muito dinheiro e muita tecnologia de ponta, e nós, simplesmente, não temos nem uma coisa nem outra, no momento.

Nossos técnicos são criativos, mas tecnologia de ponta nós não desenvolvemos, as nossas universidades não desenvolvem. Nós importamos os componentes e, com o jeitinho que nos é peculiar, montamos as ferramentas e os equipamentos e os operamos. Daí dizerem que dominamos a tecnologia para exploração em águas profundas.

Nada disso! Dominamos somente a parte operacional, porque toda a tecnologia é desenvolvida lá fora, por encomenda da Petrobras, é claro, mas a tecnologia para fabricação de ferramentas e equipamentos para exploração e produção de petróleo em águas profundas nós não temos, não dominamos.

Como se sabe, a pressa é inimiga da perfeição. A exploração do Campo de Piranema, em águas profundas do Estado de Sergipe, pode ser um bom exemplo para reflexão por todos nós. A pressa em se mandar construir no estrangeiro uma plataforma de “casco redondo” – a primeira do mundo na propaganda da Petrobras – a peso de ouro, quando se podia construir uma plataforma com o casco em outro formato qualquer em um estaleiro nacional, sem que o campo descoberto estivesse sequer parcialmente delimitado e o estudo da sua viabilidade econômica pudesse ser feito com mais segurança, parece não ter dado certo.

Em documento enviado a Procuradoria da República no Estado de Sergipe, e também encaminhado aos Senhores e Senhoras (Oficio_SAJR-PR-SE_nº_70-2009), eu questionei, poucos anos atrás, a desnecessidade da construção da plataforma de produção antes da delimitação do campo com a perfuração de mais poços exploratórios, denominados poços pioneiros adjacentes e poços de extensão.

E fiz esse questionamento com a minha experiência de cerca de 20 anos trabalhando na Bacia de Sergipe e Alagoas e de Pernambuco e Paraíba como geólogo de petróleo exploracionista da Petrobras, que me habilita a fazer declarações técnicas sobre tipos de acumulações existentes nessas Bacias, tipos de rochas reservatórios e seus mecanismos de produção.

A Petrobras, não sei por quais motivos, nunca veiculou para a imprensa e Bolsa de Valores, que as rochas reservatórios do Campo de Piranema eram pseudos turbiditos (corpos arenosos imersos numa gigantesca massa de folhelhos), com pressão anormalmente alta para a profundidade em que se encontram atualmente, o que podia caracterizar corpos de pequenas dimensões, e cuja produção logo entraria em depleção (S. f. Med. 1. Redução de qualquer matéria armazenada no corpo. Aurélio). E parece ser o que já está ocorrendo, bem antes que o esperado.

Por gentileza, Senhores e Senhoras, leiam no texto a seguir a preocupação da bancada federal do Estado de Sergipe com a diminuição drástica da produção de petróleo no Campo de Piranema, em águas profundas de Sergipe:

[...] Parlamentares da bancada de Sergipe, por iniciativa do deputado Albano Franco (PSDB), se reuniram no fim da manhã desta quarta-feira, dia 26.08.2009, com o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, para cobrar explicações sobre a paralisação da produção de Petróleo no campo de Piranema, localizado em Estância. "Os problemas seriam de ordem técnica. O senhor Gabrielli nos garantiu que a produção será retomada até o início do mês de setembro", disse o deputado José Carlos Machado (Democratas-SE) ao sair do encontro.

A produção no campo de Piranema foi paralisada há 15 dias sem que o prefeito do Município de Estância, Ivan Leite, ou mesmo a população obtivesse qualquer explicação sobre o ocorrido. O deputado José Carlos Machado, que discursou sobre o assunto nesta semana no Plenário da Câmara dos Deputados, lembrou do grande investimento feito para iniciar a prospecção de petróleo no campo de Piranema e reclamou da gradativa diminuição do repasse dos royalties ao município. "Houve um investimento de cerca de 500 milhões de reais para colocar esse campo em operação, informação anunciada com toda a pompa possível pelo presidente Lula da Silva em 2007, durante a inauguração. Recentemente, me foram apresentados dados que mostram que o município de Estância arrecadou em setembro de 2008, de royalties referentes à produção de Piranema, mais de R$ 1,4 milhão. Em janeiro deste ano, houve uma queda de 75%, e o município recebeu somente R$ 304 mil. Em junho passado, o total arrecadado foi de apenas de R$ 133 mil. Quem sofre com isso? A população, é claro", afirmou [....]

A Petrobras pode até afirmar que a suspensão da produção foi de ordem técnica, mas fica uma dúvida no ar: falha com os equipamentos dos poços em produção no fundo do mar ou os reservatórios são mesmo limitados e não conseguem mais manter a produção inicial do Campo de Piranema?

A verdade é que a produção não foi interrompida abruptamente e sim veio caindo ao longo dos meses, como mostra parte final do texto acima: “[...] o município de Estância arrecadou em setembro de 2008, de royalties referentes à produção de Piranema, mais de R$ 1,4 milhão. Em janeiro deste ano, houve uma queda de 75%, e o município recebeu somente R$ 304 mil. Em junho passado, o total arrecadado foi de apenas de R$ 133 mil. [...]”.

Portanto, infelizmente, tudo indica que os poços ora em produção no Campo de Piranema já entraram em depleção acentuada. Resumindo: para atingir e manter a produção de 10.000 barris diários no Campo a Petrobras terá que perfurar e colocar muitos poços em produção em muito pouco tempo - o que não é logisticamente recomendável nem possível (faltam plataformas de perfuração no mercado) - o que esgotaria as reservas do campo mais rapidamente ainda, evidenciando a total desnecessidade da construção da tão imprescindível plataforma de casco redondo, a toque de caixa e repique de sino, nas últimas eleições, como se o seu formato fosse realmente determinante para a extração do petróleo, o qual se encontra nos reservatórios há milhões de anos.

Sendo assim, e voltando ao marco regulatório do PRÉ-SAL, solicito aos Senhores Senadores e Senhores Deputados, Senhoras Senadoras e Senhoras Deputadas, com o pensamento voltado exclusivamente para o bem do BRASIL e de nossas gerações futuras, que deixem para analisar o marco regulatório depois das eleições de 2010 e que discutam isso até a exaustão com toda a sociedade, porque é a única coisa sensata a se fazer no momento: O PETRÓLEO DO PRÉ-SAL É A ÚLTIMA FRONTEIRA.

Por favor, Senhores e Senhoras, não permitam que essa pressa injustificável transforme as descobertas do PRÉ-SAL em algo semelhante ao desastre que está se delineando para o Campo de Piranema, em águas profundas de Sergipe.

Ivo Lúcio Santana Marcelino da Silva é engenheiro da Petrobras, com currículo reconhecido pelo Sistema Lattes de Currículos (vide em
http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=K4721163J2), é uma autoridade de reconhecida idoneidade, principalmente nos aspectos relacionados com estudos geológicos, tal como pode ser comprovado na sua monografia sobre os recursos hídricos do solo sergipano (vide PDF em http://www.semarh.se.gov.br/srh/modules/wfdownloads/visit.php?cid=1&lid=115).


Transcrito de Nathal & Candlesticks:

http://nathal.zip.net/

domingo, 1 de novembro de 2009

Quando Sachsida encerrou sua exposição, os aplausos calorosos e semblantes iluminados diziam basicamente a mesma coisa: "Entendi, afinal". A crise tem raízes na ação do governo americano. Do governo, e não do mercado.

Foram realizadas em Fortaleza, sexta-feira passada, as palestras da turnê "Liberdade na Estrada", promovida pela turma do site OrdemLivre.org. O programa prometia e cumpriu. Repito o agradecimento, dessa vez por escrito, a Diogo Costa, Bruno Garschagen, Lucas Mafaldo e Adolfo Sachsida.

Quem compareceu às discussões, na UFC e na FA7, conheceu a alternativa liberal ou teve sua crença na liberdade reforçada. Que surpresa agradável conferir a participação, nas duas faculdades, de estudantes genuinamente instigados e curiosos. É compreensível que houvesse tantas interrogações. Aprendemos cedinho que o Estado é a única solução para todos os problemas, reais e imaginários. Para esses estudantes, as palestras em Fortaleza serviram como uma oportunidade única. Só ali eles poderiam fazer certas perguntas e formular certas respostas fora do dogmatismo estatizante.

Esse evento formidável não teria sido possível sem a assistência de um grupo de jovens alunos da UFC. Fizeram tudo do próprio bolso, correndo pra lá e pra cá, buscando apenas a satisfação de atender a um chamado intelectual. Parabéns a todos. Eles sabem quem são.

Agora, um agradecimento à parte. Li quase tudo publicado nos jornais locais a respeito da crise financeira. Vários especialistas pontificaram sobre a crise, sobretudo os especialistas analfabetos em economia, que são os mais conceituados. Parecia haver um acordo tácito: não era preciso entender o assunto. Bastava apontar os culpados de sempre: o mercado, o capitalismo, o ter em detrimento do ser e, claro, o bicho-papão, o famigerado (tirem as crianças da sala) "neoliberalismo".

A palestra do professor Adolfo Sachsida varreu toda a desinformação. Ele é doutor em Economia e ensina na Universidade Católica de Brasília. Estava nos EUA, estudando, quando surgiram os primeiros sinais no setor imobiliário americano. De maneira tranqüila e didática, Sachsida separou as camadas do tema e as deixou visíveis a todo o auditório. Antes que percebêssemos, a cadeia de fatos que resultaram na crise estava diante dos nossos olhos. Esse é o dom de um verdadeiro professor.

Quando Sachsida encerrou sua exposição, os aplausos calorosos e semblantes iluminados diziam basicamente a mesma coisa: "Entendi, afinal". A crise tem raízes na ação do governo americano. Do governo, e não do mercado. Professor Adolfo Sachsida, creio que falo por todos que tiveram o prazer de ouvir sua aula: muito obrigado.

Publicado no jornal O Estado

Bruno Pontes é jornalista - http://brunopontes.blogspot.com

Transcrito do "Mídia Sem Máscara" :

http://www.midiasemmascara.com.br/index.php?language=pt


sexta-feira, 30 de outubro de 2009

CARTA AOS GENERAIS


São Paulo, 14 de julho de 2009.

Exmo. Sr. General

A União Nacionalista Democrática, nome atual do Grupo das Bandeiras, fundado por civis e militares em outubro de 1992, vem apresentando análises sobre os inimigos reais do Brasil, há mais de 12 anos.

Nossos estudos e análises estão confirmados por um DVD, que chegou às nossas mãos recentemente. Causa espécie, a identidade das nossas analises com o documentário americano.
O filme, apresentado por historiadores, artistas e intelectuais americanos, de renome internacional, evidencia a existência de um Governo Mundial Secreto, composto por 125 bilionários (Clube Bilderberg, CFR, Comissão Trilateral e etc).

O trabalho da UND, contudo, é mais profundo, porque demonstra através da coletânea de analises “O Fio da Meada”, que os BILDERBERGUERS são coordenados pelo Banco “Rothschildt and Sons”, que há 270 anos são os “controlers” financeiros para o “Poder Real”, que são as Monarquias Européias: Inglesa, Holandesa, Belga, Espanhola, Nórdicas e os principados.
O Fio da Meada evidencia, que os “Bilderberguers” chefiados pelos Rothschilds, vêm empreendendo guerra comercial de 5ª geração, contra a Nação Brasileira e outros paises alvo de seus interesses egemônicos.

A síntese do Poder Mundial Real é a seguinte:
1- controlador
2- agentes conscientes (lideranças político partidárias)
3- agentes inconscientes

Seus instrumentos de dominação são: ideologias (todas), terrorismo e diferenças regionais de toda sorte.

A guerra permanente, de 5ª geração, travada contra o Brasil, pelo poder real, não foi detectada como ameaça por nossas Forças Armadas, porque o “campo de batalha” é difuso e extrapola os limites da formação militar, não só brasileira como mundial. A formação militar trata preferencialmente de guerra convencional de primeira geração indo até guerra de terceira geração. Atualmente, a guerra assimétrica, de 4ª geração está sendo estudada, de forma acadêmica, pelos cursos de Estado Maior. Mas, a guerra que nos vitima, repita-se, é de 5ª geração!

Diante das provas irrefutáveis da Ação Globalista, que governa o Brasil através de sua classe Política, impõe-se, data venia, a adoção de uma nova política de defesa nacional, pelas FFAA em conjunto com os demais segmentos esclarecidos da sociedade, cuja experiência multidisciplinar não pode ser ignorada.

Considerando-se a quase invencibilidade do Governo Secreto Globalista, a estratégia da nova política deve prever, pelo menos, a neutralização de suas ações no Brasil, buscando-se, por todos os meios, a autodeterminação da nação Brasileira, estabelecendo-se estratégias e mecanismos, que perenizem nossa independência, equacionando-se sempre, que a classe política, que governa o Brasil através da Política Partidária, não merece confiança, nem pode compartilhar informações porque representa os interesses do Governo Real (Globalista) para “encoleirar” a nação.

A criação do Ministério da Defesa e a tentativa de politizar as FFAA através da END, são exemplos de mecanismos de consolidação dos interesses dos Controladores Externos, dos nossos governantes.

A aparente falta de antagonismos ao Brasil é ilusória. No momento em que o inimigo real perceber a reação das Forças Patrióticas seremos atacados de todas as formas.
Não resistir à guerra comercial é trair a pátria. Todos os que sabem e podem, devem reagir ao inimigo real!

Ao dispor para os esclarecimentos necessários e tendo em V. Exa. um patriota,

Respeitosa e fraternalmente.

UNIÃO NACIONALISTA DEMOCRÁTICA - UND

Adv Antônio José Ribas Paiva
Presidente

Transcrito da Página do "Grupo Inconfidência":

http://www.grupoinconfidencia.com.br/principal.php